Almas Desconectadas

Muitas vezes, enquanto caminhamos juntos, de mãos dadas, eu me sinto vazia ao teu lado. É como se tu já não me pertencesses e eu já não te pertencesse. Estamos tão afastados que dar a mão não nos junta por completo. É como se as nossas almas estivessem desconectadas. E ao teu lado, me sinto apenas “mais uma”. E custa sentir-me assim, porque dantes eu me sentia a mais felizarda de todas as mulheres. Eu tinha o melhor homem do mundo. Ou pelo menos, eu achava que tinha. Eu achava que tu eras o melhor homem do mundo. Mas não és e por mais que eu queira, eu sei que tu mudaste e já não és o mesmo de antes.

Tenho pena sabes? Tenho pena de andarmos desconectados, sem união entre nós. Nós que dizíamos que iríamos ser diferente dos outros, pois os outros não lutavam pelas suas relações e olha para nós? Achas que estamos a lutar? Achas que já lutaste até agora nesta relação? Sinceramente, desistir de algo que antes fazíamos e agora não fazemos, não é lutar pela relação, mas sim dar prioridade ao que interessa realmente. Pelo menos, eu pensei desse jeito, ao contrário de ti que me apontas o dedo cada vez que sentes que só não fazes o que fazias antes por minha causa.

Cansa tanto! E depois de tudo que passei, passar por algo pior era quase inimaginável na minha cabeça. Talvez não tivesse eu preparada para uma relação. Ou talvez estava mas tu não. Tu apenas querias as tuas coisinhas e pronto, eras feliz assim mesmo. Porque na realidade tu só és feliz com essas coisas! Ao meu lado, dizes que te sentes cada vez mais longe do que eras. Não estás mais longe do que eras porque já não fazes o que fazias antes, mas sim porque mudaste a TUA maneira de ser, de agir! Não tentes meter as culpas nos outros quando o único culpado da tua mudança és tu próprio.

Enquanto andávamos, juntos pelas mãos que nos unia apenas fisicamente, olhei-te e a questão que me passava na cabeça era horrível. Serias tu o homem com quem passaria o resto dos meus dias? E a resposta que rondava a minha cabeça era sempre negativa.

Olhar para ti e ver que só te interessa a mini saia que te passa na frente, é doloroso demais. Contudo, apenas me calo. Apenas contraio tudo o que penso e sinto e te deixo fazendo mais uma coisa que antes deverias fazer muito. E ao teu lado, novamente me senti “mais uma”, uma qualquer.

Com tantas te olhando e provavelmente te querendo, quem era eu ao teu lado? A que casaria contigo? Não! Eu era apenas uma rapariga que te divertia, que te servia quando querias, mais nada. E perceber tudo isto é demasiado penoso. Falar sobre isso não é fácil quando nos sentimos quebradas e desoladas. Porém mesmo que eu tente falar contigo, não dá para veres o meu lado pois o mais importante és sempre tu. Por isso escrevo, para tentar mostrar à minha alma que a decisão é exclusivamente dela e já não do meu coração ou da minha cabeça. Decida ela o que decidir, só espero não me sentir uma qualquer, de novo.

Share Button

2 Comentários

  1. Chorei. O texto está tão, mas tão verdadeiro. Conseguiste passar essa emoção. Infelizmente eu sei o que é isso, mas tens que pensar dias melhores virão. Temos que dar a nós o devido valor, o restante é secundário.
    Desejo tudo de bom para ti minha querida <3

    Beijinhos,
    http://www.bydezassete.com

    1. Oh minha querida! ☺️ Eu sei que eles virão, podem tardar mas virão. É mesmo! Tenho aprendido que tenho de cuidar mais de mim, que amar-me mais. Obrigada e igualmente! ❤️

Deixe uma resposta