A única culpada

Aquela menina que tanto sorria, cresceu e nem um sorriso floria no seu rosto. Porque viver se tinha tornado amargo? Porque demostrar sentimentos era uma tortura? Havia motivos para todo este sofrimento? Para todo este silêncio?

Mas só ela sabia a dor que carregava. Só ela sabia o quanto custava sair à rua, fingir um sorriso para que todos achassem que ela continuava feliz e bem. Só ela sabia o sofrimento que era entrar em casa e ser a única culpada de tudo. Culpada da mãe ser maltratada, culpada por ser quem é, culpada por existir, culpada porque simplesmente não é suficiente.

Em tempos atrás, ela achava que tudo poderia ser curado. Os joelhos rasgados eram facilmente cicatrizados com a pomada mágica, as lágrimas secavam no seu rosto quando a mãe lhe fazia cócegas e a abraçava, a alegria e felicidade viviam com ela 24 horas por dia, e durante aquele tempo a menina soube o que era ser feliz.

Porém, tudo foi-se destruindo. A mãe casou-se de novo, o até então, bom padrasto se tornou a pior pessoa à fase da terra e começou a revelar-se, de repente. E foi então, que ela viu tudo desmoronar diante dos seus olhos. Da rua os gritos e os pedidos de socorro eram ouvidos, quando ela chegava a casa da escola. E quando entrava, eles pareciam permanecer na sua cabeça até ao dia seguinte, mesmo que a mãe tenha deixado de gritar. Mas eles ficavam ecoando no seu cérebro e por mais medo que tivesse, a sua coragem fazia com que ela tentasse parar os maus tratos que o padrasto dava à sua pobre mãe.

Foi então que a sentença foi proferida e ela era a única culpada. Quão desolada poderia ela estar? Haveria a sua própria mãe ter culpado a filha por todos os maus tratos, quando esta era salva pela menina, todos os dias? Ela fez pior! Cada bofetada que levava, dava o dobro à menina, até que a mesma foi perdendo cor, a vontade de viver. Tudo isso levou a que a menina desejasse o seu fim. O sorriso desapareceu, a sua alergia desvaneceu e a sua felicidade fugiu.

E a menina…morreu.

Share Button

2 Comentários

  1. Está muito bom o texto! Pena o destino da menina mas infelizmente é a realidade de muitas :/

    1. Infelizmente há mais realidades destas por aí do que possamos imaginar. 😔

Deixe uma resposta