Day 1/2: 30 Day Writing Challenge

Olá queridos! Decidi começar um desafio diferente e desta vez, envolvendo a escrita. São 30 dias, em que todos os dias, tenho um tópico para escrever. Neste primeiro post, optei por juntar o tema do dia 1 e 2 para que não ficasse um post pequeno (não sei se sabem, mas não gosto muito nem de ler nem de publicar artigos pequenos). [Baseei-me no Desafio abaixo.]

Primeiramente, falemos das 10 coisas que me fazem verdadeiramente feliz. Juntar as que verdadeiramente me fazem feliz foi difícil pois tinha muitas mais. E em seguida, o que me disseram sobre mim que marcou-me. Necessariamente lembrei-me de uma frase, que não é só sobre mim, como também, sobre o que estava a viver na altura.


1. Ir ao cinema

2. Passear na cidade à noite

3. Escrever

4. Ouvir e tocar música

5. Dormir

6. Explorar lugares abandonados (O Monte Palace é um bom exemplo!)

7. Admirar a natureza

8. Fazer sobremesas

9. Ouvir o mar

10. Massagens


A dor faz parte do ser humano. Se te dói hoje vai doer sempre. Há coisas inevitáveis. Cabe-te a ti, dar mais importância ou não a essa dor. Mas como és rancorosa, pode não diminuir nunca.”

Quando há 3 anos atrás aconteceu uma coisa que me mudou tanto fisicamente como psicologicamente, a dor que sentia era imensa. Até difícil de lidar. E quando estava passando por tudo isto, houve uma pessoa que me falou que a dor fazia parte do ser humano. E que o motivo que me fazia sofrer naquele dia, iria me fazer sofrer durante muitos anos. Eu poderia tentar amenizar essa dor, se lhe desse menos importância mas como era algo tão importante, eu simplesmente não conseguiria. E com a morte da Mimi, revi esta frase/fase um monte de vezes.

Não é fácil lidar com a perda.  Há pessoas que se conformam, eu não. Sou rancorosa demais e quem me disse aquela frase conhecia-me bem. Demasiado bem. E ela tinha razão. A dor não amenizou. Sinto-a a cravar-me o peito, cada vez que me lembro. É um sentimento esmagador. Nos consome e nos atormenta por dentro. Saber que a culpa não foi minha mas que ao mesmo tempo, podia ter evitado, é destruidor para uma mente que se autocrítica (atenção, que estou a tentar melhorar esse aspecto!). Vamos quase que abrindo mais a ferida cada vez que nos lembramos.

Considerava a Mimi minha filha (só quem tem ou teve amor por animais sabe o que digo, outros poderão achar exagero), e quem perdi bem que o podia ser hoje. A dor é igual. Não dói mais uma do que a outra e as duas juntas fazem muito estrago. Continuo mentalizando-me que um dia, ficará tudo bem. Vai doer menos. Talvez no dia em que não guarde tanto rancor, até lá, acho que se manterá. E aquilo que a pessoa disse teve imenso impacto. Me fez ver que as pessoas à minha volta dão-se conta do que acontece, do quão rancorosa posso ser. Sempre digo que perdoo mas nunca esquecerei. Há algo por trás disto. Não foi do nada que me tornei assim, mas isso é outra história.

Gostaram deste novo desafio? Acham que o devo continuar? 

Share Button

3 Comentários

  1. Gostei da ideia do desafio e de ficar a conhecer um pouquinho mais sobre ti 🙂
    Lidar com a perda não é mesmo fácil. Porque acho que nunca estamos (nem estaremos) preparados para esse momento. Infelizmente, em criança, tive que me despedir do meu cão e, mais tarde, da minha cadela. Foi um choque. Em 2016, fomos adotados por um gato, que acabou por falecer em abril de 2017. Foi terrível. Chorei dias a fio e faz-me muita falta. Agora tenho o meu Goji, que é uma verdadeira pestinha, mas o Simba nunca me sai da memória

    r: Muito, muito obrigada, minha querida *.*

    1. Já tive 2 cadelas. A que mais me marcou foi a Mimi,principalmente pois ela ajudou-me, querendo ou não, na depressão que enfrentei. Quando eu chorava ela vinha para o meu lado, e chorava também. Aí para que ela não chorasse eu parava de chorar. Sabia bem que não era bom que os cães chorassem tanto, e como eu vivia a vida a chorar, ela coitada também vivia. Ela tinha uma força de viver e uma alegria imensa que contagiava. Aquele sorriso não me sai da cabeça. Não poderei esquecer nunca. Não vou esquecer. Mas dói imenso. A perda é terrível. Beijinhos

  2. […] Olá queridos! O tema do terceiro dia de 30 Day Writing Challenge é coisas que me irritam profundamente. Existem muitas mais do que a lista abaixo, só as que selecionei são as que me irritam mesmo muito muito. Quem fizer este desafio no seu blog, ou em outro lugar, coloque nos comentários para poder ver as vossas respostas. [Os dois primeiros temas aqui.] […]

Deixe uma resposta